domingo, 2 de outubro de 2016

Impressões sobre o primeiro turno (2016)

Ao que parece, a família da Cidinha vai ter a ceia de natal mais animada desse ano...
***
Adeus, PMDB! Sua era de tirania carioca acabou! Já vai tarde, muito tarde!
***
Pelo que percebi, a configuração da câmara dos vereadores do Rio de Janeiro vai mudar bastante. Parece que os grupos ficarão bastante fracionados, o que não é ruim.
***
Pelo que percebi do panorama geral das eleições no país, a ruptura entre PT e PMDB fez muito mal aos dois partidos. É o que acontece quando gêmeos siameses se separam...
***
Bem, acho que o resultado desse primeiro turno já é uma vitória para o Freixo e o PSOL. Depois da vitória avassaladora em 2012, ver o PMDB despencar fragorosamente dá uma sensação de alívio.
***
Sábias palavras do amigo Fred Oliveira: "O PSOL vai ter de ampliar o discurso...Parar com essa infantilidade de bem e mal, que alguns militantes supostamente moderninhos, acham que é vanguarda. Sou contra essa forma de tratar a política. Soberba demais atrapalha. Quero que o Freixo ganhe! Meu voto no Freixo é por algumas posturas e opiniões mas não por todas as posições. Espero que ele se dê conta de que o Rio é maior que o eleitorado que ele tem hoje. Infelizmente, logo no primeiro discurso ele falou em "golpistas" e que não quer o PMDB... Do ponto de vista ideal, moral, acho lindo MAS o eleitorado a ser conquistado, como se vê pelos demais resultados, não vai ao encontro de algumas daquelas narrativas. Freixo deve ter cuidado com o efeito Jandira, que falou em golpe, se apoiou em Lula e Dilma e, como todos viram, foi ladeira abaixo..."
***
Minha tia votou no Pedro Paulo no primeiro turno, mas vai votar no Freixo no próximo. A esperança bate à porta!
***
Sugestão aos amigos que querem ajudar Freixo no segundo turno: desmerecer a opinião alheia e rotular os outros como "coxinha", burro, fascista, ignorante etc NÃO vai ajudar. Mandar "ler um livro" ou "estudar História", com ar blasé, também não. Polidez, respeito e diplomacia, pessoal!
***
O diálogo não é meramente importante para a democracia; a verdadeira democracia É diálogo.

Nenhum comentário: