quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Pense na sua linguagem

Pense na sua linguagem, antes que ela pense por você.

A linguagem pode libertar ou aprisionar.

Malcuidada, descuidada, desatenta, repetitiva, a linguagem cai na rotina e se torna um espesso véu entre nós e a realidade. Frases feitas e palavras retumbantes são verdadeiras armadilhas. É muito fácil repeti-los, mas pode ser muito difícil caminhar para além deles, explorar novos horizontes.

Você se questiona sobre os múltiplos significados das palavras que usa?

Você costuma usar palavras cujo significado não domina plenamente?

Você se intimida com palavras "difíceis"?

Você tem hábito de consultar dicionários?

Você usa neologismos sem questionar se eles são realmente necessários ou meros modismos?

Você tem hábitos sólidos de leitura?

Você reflete profundamente sobre os slogans que ouve por aí e anda repetindo?

Você usa frases de efeito em demasia?

Você acha que questões extremamente complexas podem ser resolvidas com respostas excessivamente simples?

Você presta atenção aos valores implícitos nos adjetivos e advérbios que lê?

Você se deixa levar por linguagem exagerada?

Você procura diferenciar emoções de argumentos?

Você tenta distinguir informações de opiniões?

Você costuma comparar e ponderar argumentos?

Você gosta de usar termos agressivos?

Você presta mais atenção ao tom de voz das pessoas que ao conteúdo de suas falas?

Você tenta esclarecer calmamente suas dúvidas ou passa correndo por elas?

Você reflete suficientemente antes de falar ou escrever alguma coisa?

Você se preocupa em expor suas ideias com clareza?

Você aceita ou repete informações novas sem verificar sua procedência?

Você busca formular perguntas pertinentes sobre os assuntos que discute?


Quem não pensa criticamente sobre a linguagem que usa, engole pensamentos requentados ou vomita ideias mal digeridas. Pensa que pensa, sem verdadeiramente pensar.


quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Gota e rio

Cada pessoa traz em si uma parte do que foi, em ato, bem como uma parte do que virá, em potência. É gota d'água, porque faz parte do rio; faz parte do rio, porque é gota d'água.


quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Mudar de opinião é uma atitude característica das pessoas inteligentes, humildes ou velhacas...

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Máscaras do Carnaval

Por mais que o Crivella me pareça execrável, o tal enredo da Mangueira me soa mais como politiqueiro que político. Se a Mangueira está realmente interessada em discutir politicamente o Carnaval, por que não debater a assimetria com que os recursos oferecidos pela prefeitura são distribuídos entre as escolas do grupo especial e dos demais grupos?

Crivella vem usando o Carnaval para consolidar sua posição junto a seu eleitorado cativo; isso é visível. Todavia, a Mangueira me parece mais usar (nem tão astutamente) a posição de vítima para advogar em causa própria. O destaque do político Chiquinho da Mangueira na história toda não me parece nada inocente.

Vale lembrar, inclusive, que esse foi um dos temas usados para crucificar o Freixo nas eleições de 2012, então declarado inimigo nº 1 das escolas de samba...

Ao contrário do que prega certo imaginário "de esquerda", as escolas de samba, especialmente as do grupo especial, agregam interesses por vezes muito distantes do que se qualifica ingenuamente como "luta popular"...



quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Pensamentos datados

O fato de uma reflexão ser datada não a torna necessariamente irrelevante; tampouco significa que ela esteja além de qualquer renovação ou atualização. O "defeito" de algumas obras "datadas" muitas vezes se encontra mais na falta de imaginação do leitor que nas limitações do autor.

Como bem sabiam os românticos piratas, tudo é uma questão de "abordagem" - e também de não abandonar prematuramente o navio. Muitos naufrágios podem ser evitados com diligente esforço da tripulação - e quantas reflexões interessantes afundam por falta de esforço... Quanto tempo se perde requentando problemas e reinventando a roda!

Tudo parece datado para os apressados; tudo é velho demais para os apaixonados por modismos. A boa produção intelectual não é trabalho de afobados.