quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Gotas: a cara do Rio e do Brasil em novembro de 2017

Pelo andar da carruagem, acusar algum partido de esquerda de ter menos realizações [sic] que o PT soa quase como um elogio.
***
O problema do Brasil é que o governo sustenta um monte de vagabundo que nunca trabalhou na vida... como os filhos do Bolsonaro, por exemplo. Isso sim é um verdadeiro bolsa FAMÍLIA. Por sinal, se for mesmo verdade que pobre gosta de "botar um monte de filho no mundo", a família Bolsonaro deve ser pobre pra caramba. Diga-se de passagem que Bolsonaro deve mesmo adorar a família tradicional brasileira, caso contrário não teria casado 3 vezes! Um mito, realmente: só vendo pra crer!
***
Não contentes em ter ótimo gosto musical, meus vizinhos ainda me obrigam a partilhar dessa maravilha... É realmente inspirador viver num país tão repleto de refinados cultivadores das artes e tão ardorosos adoradores das musas. Que fiz eu, ó deuses, para merecer tão subido e valioso privilégio? Seria suficiente receber em êxtase esses cânticos que me chegam do Parnaso? Nem a lira de Orfeu seria capaz de expressar o indescritível júbilo que ora me arrebata!
Acho fantástico ver o Crivella vetando projeto de lei que obriga as concessionárias do BRT a colocar seguranças em todas as estações. Cuidando das pessoas... que são empresárias do transporte.
***
E as vigas da Perimetral, hein, gente? Magneto continua foragido?
***
Primeiro a gente tira a Dilma, depois a gente...
...deixa pra lá.
OU
...fica bem quietinho.
OU...
...vai ver o filme do Pelé.
OU
...evita a fadiga.
OU
...
***
E a tal da argamassa importada à prova de balas para blindar as escolas que o Crivella disse que já tinha até encomendado nos EUA, por onde anda? Esquisito, né?!
***
É o cúmulo da cara de pau ver o Lula, que tanto apoiou Cabral e Pezão, vir ao Rio para protestar contra o desmantelamento da UERJ. É como se o açougueiro fosse protestar em defesa do boi...!

"Socorro, Açougueiro! Venha nos salvar!"

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Conquistadores do Ar

Cenas dos primórdios da aviação e da RAF na deliciosa prosa de T.E. Lawrence em A matriz:

Nós somos de muita utilidade aos olhos de todos aqueles que aceitam nossas premissas, isto é, que a conquista do ar é o primeiro dever da nossa geração.

Uma parcialidade cara da natureza que, através dos tempos, reservou para nós a conquista do seu último elemento! Nossa época será admirada pelo modo como desempenhamos essa tarefa única de uma nova e grande conquista. Para aqueles de visão curta ou política, há nisto só um aspecto de patriotismo: é o impulso a ser dado aos nossos sucessores, que dependerão das técnicas de aviação para a reforma do nosso exército do século XVIII e dos nossos navios ridículos.

Não imaginem que nós sentimos todos a mesma coisa e no entanto sentimos ainda mais do que isso. Estamos diante de algo que domina e ultrapassa a nossa imaginação. Cada um sabe que cem mil homens, seus semelhantes, trabalharão nisto com toda a força, durante gerações, e ainda longe do fim entrevisto. Meu espírito vivo tem limite para as suas palavras. O extremo cuidado que temos no nosso trabalho vai mais além. Não é trabalho mercenário nem feito por obrigação. A aviação e o soldo são pulgas para coçar no nosso entusiasmo.

Não pensem também que estou querendo dizer que somos pretensiosos; pecamos como todo mundo, orientados para um ponto extremo, por um único motivo: estamos preocupados com uma coisa maior do que a gente. Traduzimos isto em termos de roscas e cilindros, para uso diário. Se um de nossos ferros-velhos não pode voar por culpa nossa, a esquadrilha baixa a cabeça, sentindo-se desonrada.

Se você disser a Tug que, na regulagem dele, ficou alguma coisa por acabar, ou a Pitaine, que o motor não está tão bem conservado como deveria, corra depois, porque se eles acreditarem que você está dizendo a verdade, vão matá-lo.

Lawrence e seus companheiros teriam se orgulhado do clássico Harrier "Jump Jet", uma das obras-primas da aviação militar britânica...

domingo, 26 de novembro de 2017

Lula é uma escolha pragmática?

Botar Lula mais uma vez no poder não me parece uma escolha "pragmática". Por quê?

É apostar perigosamente num esgarçamento da atual crise. Mais 4 anos de polarização política acentuada, temperada com uma reedição cada vez mais ineficaz dos velhos conchavos. Teríamos um executivo acossado, desesperado para se sustentar em acordos ainda mais torpes, provavelmente disposto a conceder o inaceitável em busca de um apoio vendido a alto preço. Um executivo à mercê dos mais vorazes apetites partidários. Uma versão piorada da era PT-PMDB, com o agravamento de seus vícios mais lastimáveis. 4 anos de instabilidade política aguda, com consequências posteriores imprevisíveis. Me parece ingênuo esperar o contrário disso; não é razoável contar com o improvável. Seria pensar com um otimismo difícil de justificar com argumentos palpáveis.

Sejamos realistas: o que se pode racionalmente esperar de bom de um terceiro mandato de Lula?

Não há no presente indícios razoáveis que permitam esperar algo de positivo de tal aposta: Lula no poder não será solução, será problema. Não tenho bola de cristal, posso estar errado; mas não pretendo pagar pra ver...

O verdadeiro pragmatismo aconselha a evitar as apostas mais arriscadas, e não a abraçar temerariamente o perigo. Lula é uma carta que não deve permanecer no nosso baralho. Eleger Lula em 2018 pode nos trazer resultados muito desagradáveis para 2022... De um ponto de vista meramente pragmático, não seria talvez mais razoável pensar em Ciro ou Marina? Se for pra errar, que pelo menos se cometam erros novos, em lugar da eterna repetição de erros antigos...

P.S.: Se Chico Alencar vier, meu primeiro turno é com ele. Não sou muito pragmático.



quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Quando uma pessoa se diz "empoderada em Jesus" vemos a quantas anda a montanha-russa do pensamento pós-moderno...

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Quem libertou Picciani?

Os deputados corruptos do Rio de Janeiro? Claro que sim.

Mas eles fizeram isso SOZINHOS...?

Qual é a SUA responsabilidade nisso tudo?

Em quem VOCÊ votou para deputado estadual em 2014? Já esqueceu? Você se informou bem antes de votar? Você comparou candidatos? Você PENSOU direito antes de escolher? Você sabe o que é e o que faz um deputado estadual? Você sabe pelo menos o partido do seu candidato? Você se interessa por política ou não está nem aí? Você é dessas pessoas que "detesta" política e ainda se orgulha disso?

Qual é a SUA responsabilidade, como ELEITOR e CIDADÃO? VOCÊ ajudou OU atrapalhou Picciani e companhia a fugir da cadeia?

As eleições de 2018 estão a caminho; dessa vez, se informe cuidadosamente, pense MAIS e MELHOR antes de votar! Não mantenha no poder quem não merece estar lá!

Não eleja nem REeleja os cúmplices de Picciani... ou adianta continuar reclamando E repetindo OS MESMOS erros? Como dizem, errar é humano, mas insistir no erro é tolice.

O caminho da CONSCIENTIZAÇÃO é longo e trabalhoso, mas é o único caminho para uma democracia PLENA e verdadeira...


quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Tempos e laços

"Mitusha, Yotsuha, vocês sabem o que é musubi?

Numa língua antiga, o deus que protege nossas terras é chamado de Musubi.

Mas essa palavra tem um significado mais profundo.

Atrelar os fios é musubi. As ligações entre as pessoas também. Inclusive, o fluxo do tempo é musubi.

Tudo isso é o poder divino. Por isso, os fios trançados que fazemos são uma obra divina.

Eles representam o próprio fluxo do tempo.

Eles vão se juntando e ganham forma. Eles se torcem, embaraçam e, às vezes, voltam ao normal. Eles acabam se rompendo e voltam a se ligar.

Isso é musubi. Isso é o tempo".

Your Name, de Makoto Shinkai e Ranmaru Kotone

 

terça-feira, 14 de novembro de 2017

"É uma missão do intelectual impedir a metamorfose de um meio político em artigo de fé, em mito". Claude Aveline

Cadê, Pezão?!

De meados de setembro até hoje o Sr. Pezão só me pagou R$900,00. Felizmente sou servidor
do município e vou segurando as pontas com o cinto apertadíssimo, mas e meus colegas que possuem 2 matrículas estaduais ou são 40 horas, como hão de (sobre)viver? Felizmente moro em imóvel de família, mas e os servidores que vivem de aluguel, como garantirão o teto sobre suas cabeças? O Estado do Rio é criminoso.



quinta-feira, 9 de novembro de 2017

"Sem a classe média, a esquerda não ganha eleição" – Entrevista com o filósofo Ruy Fausto

Professor emérito da USP e especialista na obra de Marx, o filósofo Ruy Fausto publicou recentemente o interessantíssimo livro Caminhos da Esquerda – Elementos para uma reconstrução (Companhia das Letras, 2017), derivado de uma série de artigos publicados em 2016 na revista piauí. A obra oferece uma lúcida análise da atual conjuntura política no Brasil e no mundo, avaliando os principais dilemas e desafios para a esquerda nesse contexto, arrematando sua reflexão com um conjunto de propostas bastante viáveis e realistas para que a esquerda possa recuperar o fôlego e iniciar uma nova fase de sua atuação no âmbito das democracias ocidentais. Tudo isso, diga-se de passagem, desenvolvido numa linguagem acessível, elegante e envolvente - confesso que li tudo em menos de 48 horas! A presente entrevista, concedida por e-mail, explora alguns questionamentos suscitados pela obra.

Embora pequeno, o PSOL vem ganhando certa visibilidade, e tem conseguido resultados eleitorais relevantes. Com isso, o partido vem passando por suas “dores de crescimento” e precisa urgentemente enfrentar certos dilemas. O que podemos esperar do PSOL nos próximos anos?
O PSOL tem o grande mérito de ter feito a crítica do “patrimonialismo” do PT. Algo importante. Mas o fez para cair, em geral, num esquerdismo estéril. Sem dúvida, há muita diversidade lá dentro - isso é uma hipótese, porque só tenho informações muito indiretas a respeito. O PT e o PSOL são bons exemplos da diversidade de erros em que costuma cair a esquerda brasileira. Mas há gente boa no PSOL e enquanto crítico do PT, insisto, ele teve e tem um papel positivo.

Se bem me lembro, no livro não há qualquer menção a Marina Silva e à Rede. Você acha que ambos podem ter uma presença relevante na política brasileira nos próximos anos?
Há uma pequena referência. Respeito a biografia da Marina. Ao mesmo tempo, todos conhecem os seus defeitos. Uma visão arcaica em matéria de certos problemas “de sociedade”. E, nos últimos tempos pelo menos, uma “queda” pela economia liberal. Quanto ao partido, conheci em São Paulo, o deputado Alessandro Molon. Tive uma excelente impressão dele.

Alguns militantes da Rede a qualificam como um partido “de esquerda”, apesar de um discurso partidário um tanto escorregadio, que permanece um tanto vago acerca de inúmeras questões. O que o senhor pensa disso?
Precisaria saber mais a respeito. Algumas pessoas deixaram o partido. Entre elas, o meu amigo Liszt Vieira, ex-deputado e ex-diretor do Jardim Botânico. Com Liszt, saíram outros; há entre eles, parece, gente de valor. Em geral, é preciso não ter preconceito e buscar os melhores onde se encontrem.

O que esperar de um eventual mandato Bolsonaro? A questão não diz respeito ao próprio Bolsonaro, que sabemos muito bem o que representa, mas dos outros agentes políticos que estariam em torno dele. Em particular, como certos setores da direita se posicionariam? Poderíamos esperar uma oposição de direita a Bolsonaro? Um mandato Bolsonaro poderia, paradoxalmente, estimular uma requalificação do diálogo entre direita, centro e esquerda?
Acho que não se deve brincar com um personagem como esse. Uma vitória eleitoral de Bolsonaro pode ter efeitos catastróficos. Não poderia precisar mais, porém creio que não se pode imaginar que aprenderemos muito com um desastre como este. É preciso evitar que isso aconteça.

A seu ver, a classe política brasileira como um todo é mais leviana, oportunista ou despreparada que seus equivalentes de outros países?
Em relação à Europa, certamente.  Claro que cultura e formação, em si mesmas, não significam muito. Mas significam, sim, alguma coisa. A diferença entre um político francês médio e um brasileiro é enorme. Quanto ao oportunismo e a leviandade, claro que isto existe tanto aqui como lá, mas é claro também que existe diferentemente. Falo da relação Brasil/França. Quanto ao “personnel” político dos outros países da América Latina, não estou suficientemente informado.

Certos setores da direita brasileira se mostram entusiastas do regime parlamentarista, e essa é uma discussão que com certa frequência emerge em nosso debate político. Em sua opinião, quais seriam os efeitos do parlamentarismo no Brasil? Ele poderia agravar certos aspectos patológicos de nossa dinâmica política? Não pensei muito no assunto. O problema é que, no Brasil, e nas circunstâncias atuais, o projeto em geral é oportunista, e visa simplesmente servir a causa de A ou de B. Em tese, o parlamentarismo poderia equilibrar mais os poderes, o que poderia ser bom. Ao mesmo tempo, deve tornar mais difícil uma política de reformas mais radicais. Mas tudo isso é incerto.

A seu ver, a intelectualidade brasileira cumpre seu papel social de forma satisfatória? Em que medida a falta de diálogo entre ela e setores mais amplos da população pode ser atribuída à própria intelectualidade? Onde ela poderia melhorar nesse quesito? Em que medida podemos considerar que as atuais dinâmicas de fomento à produção acadêmica têm parte nessa questão?
Complicada a situação da intelligentsia brasileira. Houve um grande progresso, em termos técnicos (falo em particular do meu setor, se ouso dizer assim, que é, em princípio, a filosofia). Mas que significa esse avanço? Acho que mais especialização, certamente. Com relação ao pais, é difícil dizer. Acho que a intelligentsia fica dividida: a cabeça está nas teses universitárias (na filosofia, na sociologia, no melhor dos casos na história); o coração está, de modo mais ou menos selvagem, eu diria, na política. A cabeça é muito formal, o coração muito pragmático e superficial, se ouso dizer assim. Acho que a intelectualidade não pensa a política. E quando ela tenta se politizar, isso às vezes se reflete em anti-intelectualismo, o que é muito negativo. Enfim, não consigo formular muito bem, mas acho que há um descompasso. Isso é causa e efeito da falta de uma imprensa crítica. Quanto aos livros políticos, lê-se muita bobagem de ideólogos, e se estuda pouco o essencial: a meu ver, a história contemporânea, lida de forma crítica, como fazem os melhores historiadores (para a chamada revolução de Outubro, por exemplo, gente como Orlando Figes, Nicolas Werth ou Marc Ferro).

Fiquei muito contente ao ler suas contundentes críticas à obra de Zizek - que a meu ver muita gente admira sem entender. Como explicar o “fenômeno” Zizek? A entusiástica recepção a sua obra apontaria para certa falta de horizontes de pensamento na atualidade?
A confusão é geral. Um Zizek, puro produto midiático, com o que não quero dizer que ele seja ignorante, só podia ter sucesso. Ele publica até um livro de piadas... pela coleção do MIT!

A esquerda, me parece, apresenta certo problema crônico com a temporalidade, ora voltada excessivamente para o futuro, resvalando por vezes no utopismo delirante e na escatologia revolucionária, ora orientada para o presente sob uma modalidade imediatista, quiçá oportunista, levando muitas vezes às situações de capitulação que você menciona no livro. Quais seriam, a seu ver, as melhores maneiras para superar esse dilema?
É isso mesmo. Ou escatologia, ou empirismo e pragmatismo escrachados.  Ou se pensa no comunismo (nas suas mais delirantes expressões), ou se discute o destino do deputado N, e do senador F, ou os escândalos envolvendo esses mesmos ou outros personagens. Em primeiro lugar, seria preciso que o pessoal fosse mais bem informado. Insisto: ler menos os teóricos (filósofos, sociólogos, e ideólogos principalmente), e mais os historiadores. Depois, desenvolver um verdadeiro senso crítico. Isso a universidade não dá. De certo modo, nem pode dar. Vejo que muitos bons universitários são de uma ingenuidade total, por exemplo, diante de um fenômeno como o do “patrimonialismo” do PT. Acham tudo normal. Também são incapazes de fazer a crítica de ideólogos do tipo Laclau ou Zizek. É um mundo ingênuo, de gente que sabe fazer boas teses sobre a fenomenologia ou fazer pesquisas sociológicas com certo rigor, mas que nunca praticou alguma coisa que tivesse a ver com uma verdadeira atividade crítica. Tive experiências curiosas a esse respeito.

Na parte final do livro o senhor dedica algumas páginas a contestar o clichê de que a classe média brasileira seria predominantemente conservadora, sinalizando para a existência de uma considerável massa de indecisos, que, em certa medida, se mantém cética quanto aos projetos políticos presentes em nosso horizonte. Concordo plenamente com essa opinião, e me parece que essa situação se reflete no crescente número de abstenções em nossos pleitos eleitorais, que atingiu recordes nas eleições municipais de 2016. Parece-me que até aqui esse fenômeno não vem recebendo a devida atenção dos analistas políticos. Quais são, na sua opinião, os eventuais perigos e as possíveis oportunidades que esse fenômeno eleitoral trará à democracia brasileira nos anos vindouros?
É preciso parar de demonizar a classe média. Não me refiro só aos casos extremos, bem conhecidos. Refiro-me ao preconceito contra a classe média, que vem de um marxismo muito banal. A observar que na tradição marxista, inclusive na mais radical, se observa um grande interesse por “ganhar a classe média” (mesmo que isso seja às vezes questão mais de ordem tática do que outra coisa). Sem a classe média, a esquerda não ganha eleição. E sem a classe média do seu lado, a direita não pode dar golpes. Deve haver três estratos lá dentro, mesmo se isto deva ser confirmado por pesquisas: um setor fascistizante, um setor muito progressista, e uma massa que se trata de ganhar ou pelo menos neutralizar. Jogar a classe média nos braços da direita é suicídio político, fruto da ignorância.

Num trecho muito interessante do livro você comenta os problemas de certa idealização da “pobreza” e do “pobre” que há muito permeiam o pensamento de esquerda: “O importante estaria na periferia. Ou no campo. Ou nos bairros mais pobres. Tudo o que se faz lá, mesmo o pior – inclusive o que é claramente regressivo -, é supervalorizado” (p. 183). A reflexão me parece muito lúcida. Creio que há também certa perversidade na articulação desse tipo de pensamento: em determinados momentos, conforme as (in)conveniências eleitorais, a retórica de esquerda recorre com certa virulência, e mesmo desprezo, à figura do “pobre de direita”. Conforme a fortuna das urnas, vemos afirmações alternadas de que o povo “não é bobo” ou, pelo contrário, que ele é vítima da manipulação midiática. A seu ver, há nessa postura paradoxal algo além das simples conveniências de circunstância? Trairia ela algo mais profundo do imaginário da esquerda e de suas próprias tensões? Por outro lado, o estereótipo do “pobre de direita” tem algum fundamento? Existe efetivamente um compromisso das classes populares com o pensamento de direita ou há certa incompreensão dos anseios dessa população por parte da esquerda, que tantas vezes se arroga porta-voz desses setores?
Há um problema sério de atraso cultural. Claro que isso não é decisivo, o importante é a “lucidez” (mas esta é um enigma). Entretanto, claro que esse fator conta. Difícil ganhar gente para a esquerda, se o povo desconhece os elementos mais simples da luta política ou mesmo da história do pais. Dirão talvez que isso importa pouco, que é intelectualismo da minha parte. Não creio. Mas resta o problema: porque tanta gente pobre e/ou jovem se inclina para a direita? Confesso que não tenho resposta muito rigorosa. Os jovens de direita teriam “mau caráter”? Não sei.  Alguns deles, certamente. Mas em alguns ou muitos casos, deve haver muita confusão. A esquerda perdeu a hegemonia, por causa da corrupção, da irresponsabilidade, e às vezes da violência. A direita aparece, aos olhos de muitos, como mais responsável, meritocrática, respeitosa dos esforços de cada um, e também respeitosa da “ordem”.  A esquerda só pode retomar a hegemonia mudando radicalmente. O neo-totalitarismo, o patrimonialismo, o populismo – ou muito me engano ou – tudo isso envelheceu, e não tem futuro. É a minha impressão. E o trabalho tem que ser feito em três níveis, ou antes, há três registros, os três importantes, a considerar: movimento de massas, organizações e luta eleitoral. A tendência dominante é privilegiar um desse níveis em detrimento dos outros. Atualmente, na maioria dos casos, há uma tendência a privilegiar o que acontece ou aconteceu nas “bases”, como se as novidades (reais ou supostas) que ocorreram nesse setor, tivessem desqualificado definitivamente os outros registros. Ilusão e mitificação do que se chamava outrora de “movimento de massas”. Assim, as manifestações de 2013 viraram uma espécie de grande promessa de um “grand soir” futuro. Não subestimo o que se viu lá num primeiro momento, mas aquilo não tem o peso histórico (na realidade, mítico) que alguns lhe atribuem.

O senhor comenta a trajetória de certos políticos como Fernando Henrique Cardoso ou Tony Blair, que associaram suas mudanças de posicionamento político a um processo de amadurecimento pessoal. Temos também a frase apócrifa, “quem não foi socialista aos 20 anos não tem coração, quem continua socialista depois dos 40 não tem cérebro”, incansavelmente repetida, sob formas variadas, por muita gente que, diga-se de passagem, nunca foi socialista... Há aí certa retórica ou estética de infantilização da esquerda, articulada de modo mais ou menos consciente? Em sentido inverso, essa retórica encontraria seu eco no mote de que “todo direitista é burro ou mau-caráter”?
As relações entre ética e política são complexas. A meu ver, como digo em certa passagem daquele meu livro, só se pode dizer com algum rigor, que há certa convergência entre ser de extrema-direita e ter mau caráter. E se trata de “certa convergência”, não mais.  Quanto ao resto, temos as composições mais diversas. Ao mesmo tempo, as duas coisas – ética e política – não andam soltas. A esquerda tem de recuperar a ética, muito seriamente. Não se assustar com as acusações de “moralismo”. Mas ao mesmo tempo entender que a política tem um registro próprio que, se não é anti-ético, não se fundamenta propriamente na ética, embora a ética lhe sirva desempenhando um papel regulador. Já seria importante que se discutisse esse tipo de problema. Hesita-se muito a discutir essas questões. Aliás isso, tem interesse também para lidar com as grandes massas que são religiosas (98% dos brasileiros acreditam em Deus!).  Não vamos aderir às religiões, mas deixar claro que temos compromissos éticos (isso não é concessão, evidentemente) nos ajudaria a marcar alguns pontos na luta em prol da hegemonia da esquerda junto às “grandes massas”.

Há um ou dois anos, Luiz Felipe Pondé publicou uma coluna onde, com seu habitual estilo polêmico, defendia uma “direita festiva”, desencadeando reações apaixonadas de inúmeras pessoas de esquerda. A repercussão desproporcional dada a um texto tão inócuo me parece muito sugestiva de certos problemas de ordem cultural dentro da esquerda, que muitas vezes parece mais comprometida em perpetuar certo programa estético que em viabilizar um projeto político. Poderíamos talvez dizer que há aí mais uma patologia muito comum entre diversos setores da esquerda, nutrida desde os grêmios colegiais aos diretórios acadêmicos?
Não vi a reação. Mas é uma bobagem. Direita festiva, que significa isto? Direita irresponsável, que pensa em gozar a vida e não defender as causas da direita. Claro que isso existe, mas isso tudo só pode interessar um público superficial, de esquerda ou de direita, que anda atrás de temas de efeito fácil. Como tentei mostrar, Pondé tem muito de um Zisek da direita. Há os que supõem que isso seja elogio. Para mim, não é. Pondé é tão lamentável, pela direita, como Zizek pela esquerda. Até certo ponto, temos aí duas versões da mesma barbárie.

Você explora muito bem as diversas tendências que hoje coexistem na esquerda brasileira. Por vezes parece mais difícil promover o diálogo entre essas tendências que com as vizinhanças. O slogan “esquerda que a direita gosta”, por exemplo, se tornou moeda corrente nos últimos anos da era PT. A seu ver, em que medida as discussões dentro de um mesmo campo ideológico podem ser mais difíceis que com aqueles que estão de fora? Por que esse debate entre os próximos tende a ser tão tenso e acirrado?
É preciso discutir com a direita e com a esquerda. Mas, a rigor, só com parte da direita, e só com parte da esquerda... Inútil discutir com neo-stalinistas, por exemplo. Por outro lado, a discussão com a extrema-direita é perda de tempo. Isso quanto à discussão. Acho – isso é outra coisa – que é preciso, sim, ler os ideólogos de direita, e também os de extrema-direita. Esse último tipo de leitura talvez seja até mais importante - em geral, creio que é preciso desenvolver certo rigor de pensamento e gosto pela verdade, tanto nas discussões dentro da esquerda, como nas discussões com a direita. Na realidade, isso tudo é complicado. Porque tem uma direita republicana, uma direita extremista, e idem para a esquerda. Em muitos casos, a esquerda fanática (neo-stalinista, por exemplo) é certamente muito pior do que a direita republicana.  A discussão tem muitas facetas que é difícil definir. Uma coisa importante é saber que, para combater os Bolsonaro e companhia, precisamos mais do que da esquerda, certamente. Isso não é motivo para que abandonemos as nossas posições. É só um alerta para situações de emergência.

Na última década, a esquerda brasileira tomou para si inúmeras pautas identitárias ligadas a grupos específicos, especialmente pautas ligadas aos movimentos negro, feminista e LGBT. Existe hoje um excesso de ênfase nessas pautas? A atenção a essas temáticas vem ofuscando outras questões importantes?
Inútil afirmar que essas lutas não têm importância. A tese nem merece discussão. Isso posto, as relações dessas lutas, com as agendas clássicas, são complexas. Não se deve supor que as patologias existem apenas nessas últimas. Por outro lado, é preciso levar em conta que as primeiras são, em certa medida, frágeis, porque a sua emergência (não a sua existência) é relativamente recente. Há um problema complexo de articulação dessas lutas, entre elas, e com a agenda clássica da esquerda. A acrescentar o grande problema, no interior do registro clássico, podemos dizer, das relações entre liberdade e igualdade. Tudo isso tem de ser constantemente pensado e repensado. Em conexão com as práticas é claro, mas sem pragmatismo nem anti-intelectualismo.

Uma das questões mais instigantes discutidas no livro diz respeito às possibilidades de uma economia de mercado não-capitalista, libertando o dinamismo próprio das economias de mercado dos aspectos predatórios do grande capital corporativo. Há, obviamente, certa resistência por parte da direita em engolir essa argumentação. No entanto, tais proposições também não mostrar-se-iam ininteligíveis para boa parte da esquerda? Quais seriam os principais desafios a superar nesse sentido?
Há quem pense que é preciso deixar de lados essas questões. Não é a minha posição. Temos que dizer para onde queremos que o mundo vá. Quem acha que isso não tem importância é mais arcaico do que supõe. O melhor modelo, quanto ao conteúdo do projeto, é o de uma sociedade com mercado, com Estado, com propriedade privada, e no limite com capital – mas não hegemônico. Uma sociedade com mercado, mas em que a economia solidária e cooperativa é hegemônica. Isso é pensável. Mas tem que ser sempre discutido e rediscutido, sem perder de vista os problemas imediatos (que, de resto, podem pôr na ordem do dia organizações de tipo cooperativo, por exemplo). Em resumo, trata-se de um programa de neutralização extensiva e intensiva do capital.

Como as dimensões de competição e cooperação poderiam ser articuladas de modo socialmente proveitoso numa economia de mercado não-capitalista? Em tal situação, quais seriam os eventuais perigos de um desequilíbrio entre essas duas dimensões?
São problemas a discutir. Acho que o lado “competição” (mesmo a econômica) não desaparece. É como se houvesse uma verdade regional do utilitarismo. Além do que, há competição fora da economia: por prestígio, saber, sucesso artítico etc etc. Porém existe também o outro lado. Será preciso aprender a articular as duas coisas, no campo da economia e fora dele. O bicho homem vive das duas coisas: competição e algo assim como “generosidade”.  Creio que essa dualidade define melhor o humano do que os dois extremos, pessimista e otimista. O curioso é que se avançou muito no estudo do homem a partir da psicologia ou no registro da psicanálise, mas se pensou pouco sobre o humano na política. Subsiste às vezes o antigo otimismo da produção do “homem novo”, ou então se pula abruptamente e, muitas vezes sem coerência, para os delírios do anti-humanismo. Seria preciso pensar mais a relação entre antropologia filosófica e política.

Os dois mandatos de Lula promoveram um vigoroso processo de valorização do salário mínimo, que segue, todavia, estagnado há quase oito anos. Esse bem-vindo aumento salarial veio acompanhado por uma política de desregulação no setor de crédito pessoal, cujos efeitos são dúbios: por um lado, permitiu certa melhora do padrão de vida de uma parcela significativa da população, o que é indiscutivelmente bom; por outro, assistimos ao desenvolvimento de práticas predatórias no setor de empréstimos pessoais, lançando boa parte da população num acentuado processo de endividamento familiar. Como poderíamos pensar numa política de regulação capaz de tornar o crédito um instrumento de emancipação para a cidadania, e não para a servidão consumista?
Só um outro tipo de governo poderia fazer isto. Falta ao PT a capacidade para uma reflexão mais profunda sobre esses problemas. Trata-se de dar maior possibilidade de consumo ao povo, mas que seja um melhor consumo. Caso contrário, esse mais pode ser contraproducente. Mas como evitar os efeitos perversos? Talvez facilitando o crédito de forma diferenciada. Ou condicionando a ajuda a certas exigências, como de resto se fez e se faz. Mas me pergunto até que ponto tudo isso funciona bem. Há um problema global de educação popular, que passa também pela educação em sentido geral. Criaram-se muitas universidades novas, porém o mais urgente era e é a criação de boas escolas primárias e secundárias. Isso importa muito mais, creio eu, do que a multiplicação de universidades.

Um tema que percorre todo o livro, naturalmente, é a questão da corrupção no setor público, que preocupa toda a sociedade brasileira. Um tema bastante escamoteado nos debates políticos, no entanto, é a corrupção existente no setor privado. Eu mesmo já trabalhei numa empresa privada onde ocorreu um clamoroso caso de corrupção: um alto funcionário administrativo manteve durante alguns anos um esquema criminoso através do qual desviava dinheiro da organização, prejudicando tanto a empresa como boa parte dos funcionários. Descoberto o caso, todavia, ele foi abafado e resolvido extrajudicialmente, para preservar a imagem pública da instituição; não houve transparência sequer para com os funcionários lesados pelo esquema. Como despertar a atenção da opinião pública para essa problemática? Que consequências isso poderia ter para a reconfiguração dos debates acerca da corrupção?
A esquerda tem de assumir com clareza o tema da corrupção. Isso exige esforço por causa do peso do populismo. Vamos tentar fazer da exigência anti-patrimonialista e da exigência anti-capitaista (anti-grande capital) um jogo que não é de soma nula. O mesmo para a relação entre democracia e anti-capitalismo. Isto implica em romper com um cânone muito arraigado, na política nacional e mesmo internacionalmente. A esquerda tem de ser vanguarda também em matéria de recusa da corrupção. O PT o era no seu início, é bom não esquecer.

Presenciamos, mundialmente, certo processo de esvaziamento da democracia representativa. Parece que a participação política se inicia e se encerra nas urnas. Por outro lado, políticos de todas as tendências se elegem para o executivo e o legislativo prometendo isso ou aquilo, apenas para fazer justamente o contrário, gerando um compreensível desencanto entre os eleitores. A cédula eleitoral se torna, na prática, um cheque em branco, empregado nos mais vis estelionatos eleitorais. Que práticas institucionais poderíamos usar para evitar esse tipo de situação, de modo a tornar a democracia efetivamente representativa?
Não sou contra instituições e práticas de democracia direta, mas sou contra fazer da democracia direta uma bandeira central e exclusiva. É uma ilusão perigosa. A melhor tradição da esquerda não recusou a representação. Pelo contrário. Sovietes, conselhos de fábrica, comitês de soldados, assembleias de bairro, tudo isso teve caráter representativo. Em compensação, o bolchevismo sempre desconfiou da representação. Há aí matéria para reflexão. A democracia direta como bandeira central de luta se interverte, em geral, no seu contrário: na ausência de democracia, no autoritarismo de esquerda.

O diálogo e a negociação são muito importantes numa democracia, mas trazem sempre o risco da capitulação, como bem vimos nos famigerados “pactos de governabilidade” da era PT. Quais seriam os caminhos viáveis para uma esquerda que dialoga e negocia democraticamente, sem capitular vergonhosamente?
É preciso negociar. Mas segundo princípios. Isso é difícil? Claro que sim. Cada caso é um caso. Mas nunca se abandona a ideia de que há alianças válidas, e outras que não o são. Impossível formular normas gerais, senão a recusa das alianças com corruptos e reacionários. Claro que poderá haver casos intermediários, mais ou menos duvidosos. Será preciso considerar o caráter da aliança, e, digamos, o caráter dos eventuais aliados. E também discutir amplamente a validade ou não de alianças, de partidos ou de movimentos. É preciso dizer não à política de fechamento, que recusa se aliar mesmo com gente bastante razoável porque não tem as nossas convicções, mas também há que recusar a política aliancista irresponsável e oportunista do tipo da do PT.  Difícil precisar muito mais, sem considerar casos concretos. Por exemplo (para os problemas dentro da esquerda):  não se recusará um candidato razoável, porque é membro do PT. Nem alguém do PSOL, porque tem, apesar de tudo, certos traços “gauchistas”.  Também depende dos fins da aliança: eleger um deputado, eleger um presidente, participar de uma campanha pública com tais ou tais fins etc.

Nas eleições de 2016 a campanha de Freixo obteve um nível recorde de doações de pessoas físicas, em grande parte se beneficiando das condições de arrecadação propiciadas pela Internet. O senhor acha que essa tendência é promissora para a esquerda em futuras eleições? Por outro lado, ela pode trazer inconveniências de alguma espécie?
É boa a ideia da multiplicação de pequenas doações, via internet, se possível ou necessário. Em parte, foi assim que se fez a campanha de Obama. Seria importante desenvolver esse tipo de prática, para o futuro.

Há algum tempo li uma excelente entrevista com um sociólogo, cujo nome infelizmente esqueci, estudioso das igrejas neopentecostais. Ele fazia uma reflexão interessante, sinalizando que a família é algo muito importante na vivência dos brasileiros, mas é um tema subestimado e pouco visitado pela esquerda, que não apresenta nenhum projeto consistente em relação à questão, deixando o terreno livre para certo pensamento de direita que vem ganhando espaço com um discurso de defesa da “família tradicional brasileira”. Com efeito, vivemos hoje certa crise das formas da família, mais visível porque mais superficial e “escandalosa”, acompanhada por uma crise mais profunda, silenciosa, do significado social da família – crise essa que se relaciona diretamente a questões pertinentes à inserção da família no mercado de trabalho, à emergência de novas tecnologias que interferem no cotidiano familiar e, last but not least, às relações com as instituições de educação formal.  A seu ver, a questão é realmente relevante? Quais seriam marcos produtivos para pensar a questão por um viés “de esquerda”?
Sim, acho que a questão é relevante. A discutir sem sectarismo, mas sem concessões inúteis ao espírito mais conservador. Seria importante explicar as mutações da família. Também mostrar a ambivalência dessas instituição: como dizia Adorno, pensador insuspeito, sob certas condições, ela ajude e proteje. Mas é ela também que oprime e esmaga. Seria preciso mostrar tudo isso, com ilustrações históricas e análise sociológica. Com relação à religião, por em evidência o melhor dela. Como dizia Feuerbach, há dois lados na religião (em particular no cristianismo): um positivo, de não-agressão, de respeito pelo outro, de tolerância. O outro lado é o contrário disso: fanatismo, agressividade, opressão. Acho que a crítica feuerbachiana da religião está viva. Talvez mais do que a marxista.

Vivemos hoje, nitidamente, um momento de colapso da fase econômica iniciada com o Plano Real. De que modo o senhor imagina que essa situação pode vir a afetar a política no Brasil a curto, médio e longo prazo?
Se o país continuar nas mãos dessa gente, que eles “equilibrem” ou não a economia, o povo continuará sofrendo. A primeira exigência é uma reforma tributária radical, cuja justificação até os economistas liberais reconhecem (de boca para fora).

Em sua opinião, o recente revigoramento da direita brasileira é mero reflexo da “Era PT” ou traduz um desconforto mais profundo ou antigo? Estaríamos diante de certa “desforra” contra a Constituição de 88?
Desforra contra a esquerda, através do PT. Vontade de aproveitar a desmoralização da esquerda, que vem, numa duração maior, da crise do totalitarismo, e de imediato da debacle do PT (este entrou em cheio na política de promiscuidade entre o público e o privado: armadilha fatal a esse partido, mas que complicou, infelizmente, a situação do conjunto da esquerda).

O neoliberalismo brasileiro me parece muitas vezes de consistência duvidosa. Em que medida o discurso neoliberal no Brasil serve apenas como fachada e pretexto para a articulação de interesses muito mais sórdidos e prosaicos? Em outras palavras, há de fato um neoliberalismo brasileiro, para além da esfera dos discursos?
Claro que há as duas coisas. Interesses sórdidos, oportunismo. Mas há também interesses de classe que se fazem manifestar como que através dos objetivos mais inconfessáveis. Em todo o caso, o cinismo de classe campeia (a exemplo da questão do trabalho escravo!).

A seu ver, existem hoje possíveis pontos de convergência entre a direita e a esquerda no Brasil, capazes de viabilizar consensos produtivos, ainda que pontuais?
Entre a esquerda democrática e a direita republicana, há em comum, em princípio, a exigência democrática. Mas parte daquela direita, senão toda, se comprometeu com o impeachment, certamente um “golpe legal”...

Na sua opinião, a esquerda - especialmente as militâncias de esquerda - têm pleno domínio das argumentações articuladas pela direita? Quais seriam as consequências disso para o debate político no Brasil?
A ignorância é grande. A falta de rigor. A preguiça de pensar. Necessitamos de amor à verdade (ao contrário da “tecnologia contra a verdade”, como pretende o pós-modernismo vulgar). Isso posto, é preciso dizer que a direita brasileira é muito lamentável. Tanto seus homens políticos como seus intelectuais.

As recentes eleições presidenciais nos EUA trouxeram Trump ao poder, mas, como você bem lembra, também foram marcadas pela candidatura-fenômeno de Bernie Sanders, que representa indubitavelmente um sopro de esperança no atual cenário mundial. Na sua opinião, a esquerda brasileira dedicou a devida atenção à campanha de Sanders? Que lições podemos tirar dela?
Acho que não se interessou muito. Mas não sei bem, porque estava fora. O fato do programa de Sanders ser social-democrata não deve ter pegado muito bem para uma esquerda muito marcada por falsos radicalismos. Simples hipótese.

Há futuro para a União Europeia?
Creio que há. Difícil, mas há. O neo-liberalismo é um cavalo de Troia no interior da U.E. Mas o projeto europeu é bem mais do que isto. Mélenchon e outros soberanistas de esquerda se enganam a esse respeito. Há uma difícil luta a travar, por uma Europa democrática e “social”.  Não se pode abandoná-la.


quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Entre mosquitos e canhões

"Todos esses textos são marcados pela cosmovisão do ser existencial. O ser existe no tempo e no espaço e a sua existência caracteriza-se pela atuação hic et nunc do ser que existe. Desse modo, o ser que existe e que expressa a sua vivência existe em um mundo e em um tempo, mundo e tempo existenciais do ser que são o resultado da sua experiência como ser, a qual é transmitida com o auxílio de sistemas de comunicação, dos quais a linguagem é o mais aperfeiçoado. Essa linguagem humana estrutura-se em níveis maiores e menores e um dos níveis maiores é o discurso".

O exuberante trecho acima foi extraído de um artigo acadêmico sobre um antigo livro manuscrito de receitas culinárias. No cômputo geral, o artigo é até honesto no objetivo a que se propõe; questiono, no entanto, a necessidade de malabarismos teórico-filosóficos expostos em alguns parágrafos como o transcrito acima.

Me parece um espécime interessante por oferecer uma demonstração curiosa do quanto alguns trabalhos acadêmicos se perdem em deslocados exercícios de virtuosismo, cuja necessidade me parece muito duvidosa.

Por vezes tenho a impressão que alguns intelectuais, contrariando a sabedoria (supostamente) chinesa, acham que é necessário usar canhões para matar mosquitos. Por sinal, os japoneses costumam dizer que a excelência se caracteriza pelo máximo de resultado com o mínimo de esforço - e não o contrário...

"Não use um canhão para matar um mosquisto", teria dito Confúcio...

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Fazendo as pazes - ou o pragmatismo nosso de cada dia...

Trechos selecionados de esclarecedora entrevista com Luiz Marinho, atual Presidente Estadual do PT em São Paulo:


O PT deve fazer alianças com partidos que apoiaram o impeachment de Dilma Rousseff?
Veja, nós temos que recuperar bases. A maioria do povo também apoiou o impeachment e nós queremos recuperar a maioria do povo. Não vejo a necessidade de um grande arco de alianças para a candidatura do Lula. Vamos precisar de uma grande aliança para governar, no Congresso. Mas isso pode se dar no processo eleitoral ou pós-eleições. Agora vamos analisar no sentido de ganhar a eleição. Depois se tomam providências sobre composição da base no Congresso.

[...]

Mas isso [alianças estaduais com o PMDB] contraria uma decisão do Diretório Nacional do PT.
Seguramente o diretório vai revisitar esse tema e vai saber trabalhar a complexidade momentânea da política brasileira. Reposicionamentos eventuais podem acontecer, mas não vai ser um "liberou geral". Mas o PT deve permitir aliança com partidos que apoiaram o "golpe" [notem-se as aspas].

[...]

Lula disse que o eleitorado de Dilma se sentiu traído pelas mudanças na política econômica. O senhor concorda com isso?
É um sentimento. Sentimento não se muda. O sentimento do eleitorado realmente foi esse. Em 2014 já tinha muita gente reclamando da Dilma, depois com a história do Joaquim Levy ministro (da Fazenda) de fato se colocou dessa forma.

[...]

A presença dela [Dilma] no palanque de Lula atrapalha?
Se ela não for candidata, não ajuda nem atrapalha.


quarta-feira, 1 de novembro de 2017

"Apenas obedecendo ordens"

"O bom soldado é tão inconsequente quanto uma criança".
T.E. Lawrence

http://acidnrock.blogspot.com.br/2010/06/ordens-sao-ordens.html

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Viável ou não, "amar ao próximo como a si mesmo" me parece o projeto de humanidade mais ambicioso e desejável que se possa imaginar...

domingo, 22 de outubro de 2017

Estamos todos bem

Poema do Fred Oliveira (dedicado a mim - que honra!)

Que eu aprenda na escola o que é a vida
Que eu escolha bem os meus amigos
Que eu saiba de cor cantar o hino
Que eu vá à Igreja aos domingos
Que eu apague a luz do quarto e durma.
Que eu faça a coisa certa
Que eu peça licença ao sair da mesa
Que eu tenha a tabuada na cabeça
E torça para algum dos times
Que eu não quebre o protocolo
E nunca seja inconveniente.
Que eu não brinque com coisa séria
Que eu seja alguém na vida
Que eu não coma carne em dia santo
Que eu não insista nos meus erros
E não deixe para amanhã o que posso fazer hoje
Que eu feche os olhos e diga só coisas bonitas.
Que eu conheça ao menos um trecho da Bíblia
Que eu leia, acredite e jamais duvide
Que eu não entre na briga e nem xingue
Que eu aguente firme apesar de tudo.
Que eu seja comedido na minha ira
Que eu saiba distinguir joio e trigo
Que eu não faça aos outros o que não quero que façam comigo
Que eu não diga à plateia o que sentimos
Que eu consiga um emprego subalterno como os outros da fila.
Que eu me aliste no exército aos 17 anos
Que eu não seja ateu
Que eu ame uma menina e não a um menino
Que eu constitua uma família e tenha muitos filhos
Que eu chore no enterro como todo mundo.
Que eu aceite o que não gosto com um sorriso
Que eu tema o Inferno e queira o Paraíso
Que eu me acostume a demagogiazinha nossa de cada dia
Que eu tenha juízo
E agradeça a Deus o pão à mesa.
Que eu acompanhe o ritmo
E dance conforme a música
Que eu meça as palavras e seja eu mesmo
Que eu fique em casa nos dia de chuva
Que eu viva em paz com a minha consciência.
Que eu pregue um diploma na parede
Que eu cumpra todos os meus compromissos
Que eu não falte com a esmola ao mendigo
Que eu me arrependa dos meus pecados
E me orgulho de ser pobre, honesto e faminto
E se alguém perguntar como estamos
Eu diga: - Estamos todos bem!
 ...................
In: Quase Poesia, de Fred Oliveira
...................
Para Luiz Fabiano Tavares

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Meros dados...

Meros dados não são fatos.

Meros fatos não são informação.

Mera informação não é conhecimento.

Mero conhecimento não é sabedoria.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Me engana, que eu gosto!

"Se o Bolsonaro agradou o mercado, nós do PT temos que desagradar o mercado".


Lula - depois de anos agradando o mercado, fazendo lobby para empresas privadas, recebendo favores questionáveis de empresários etc etc etc...



segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Veja contra Bolsonaro

Só comprei a revista Veja duas vezes em minha vida. Uma foi em 2016, quando saiu aquela matéria com capa-bomba do Crivella. A outra foi na última semana: confesso que não me aguentei de curiosidade para ler o que a publicação dizia sobre "A ameaça Bolsonaro".

Essa capa, cerca de um ano antes das eleições de 2018, me parece muito significativa: parece que Bolsonaro enfrentará fogo cerrado de todos os lados durante o processo eleitoral. Se isso é bom ou ruim, eu já não sei - especialmente em se tratando de um candidato que faz a linha "falem mal, mas falem de mim".

De resto, o texto traz o costumeiro estilo "vejático", repleto de insinuações nem-tão-sinuosas e uma retórica bem chinfrim. Enfim, não gosto de Bolsonaro, assim como não gosto da Veja...

Deixando de lado a publicação, acho precipitado considerar Bolsonaro como um dos favoritos para 2018 com base apenas na tal pesquisa Datafolha que apresenta 35% de intenções de votos para Lula e 17% para Bolsonaro. Em primeiro lugar, como se sabe, essas pesquisas nem sempre valem grande coisa. Em segundo lugar, creio que até lá Lula estará na cadeia - e não me parece que Bolsonaro tenha muitas chances de captar o potencial eleitoral do petista, que provavelmente será canalizado em favor de um terceiro candidato. Last, but not least, como diz um amigo, os holofotes costumam fazer muito mal à família Bolsonaro. Enfim, na política, ni jamais, ni toujours...

Por enquanto, minhas apostas para o segundo turno de 2018 são Marina e Dória, com vitória da Rede. De qualquer modo, meu voto vai para Chico Alencar...



sábado, 7 de outubro de 2017

Reizinhos mandões

Reflexão do psicólogo Vitor de Moraes:

Uma sociedade em que todos só querem seus direitos é tal como um aglomerado de reis que quer fazer dos seus iguais os serviçais.

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Quem é "incompetente"?

Quando Lula qualifica Temer e os seus como "incompetentes", eu me pergunto: por que ele só "descobriu" isso agora? Estaria ele mentindo em todos aqueles comícios em 2010, 2014...?!

Se Lula já sabia que Temer era um "incompetente", apoiá-lo como vice-presidente seria uma fraude. Por outro lado, se Lula não sabia, isso significaria um gesto leviano ("incompetente", talvez).

Lula enche a boca com palavras vazias, como qualquer outro político. Por isso mesmo, não é mito,  lenda ou salvador: é apenas mais um político como outro qualquer.

A não ser que alguém me convença que há algo de sólido em seu incansável palanfrório...

Seria o cosplay do Lula melhor que os de Dória...?! Ou vale só para um lado?!

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Transgressão e obediência

A transgressão gratuita é tão perigosa quanto a obediência cega. Muitas vezes uma conduz diretamente à outra.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Utilitarismo, Romantismo ou Vanguardismo?

Extrato de A Nova Ordem Ecológica, do filósofo Luc Ferry

Por trás desse debate [sobre a governança da União Europeia], que todos deveriam poder julgar por si mesmos, uma autêntica questão filosófica ressurgiu: a do estatuto da cultura em uma sociedade de onde as tradições religiosas e, com elas, a transcendência do sagrado por assim dizer se evaporaram. Mas, para avaliar finalmente a questão, seria necessário sair das oposições binárias nas quais querem com frequência nos encerrar: alta cultura literária contra subcultura técnica, tradição contra modernidade, obscurantismo romântico contra universalismo das Luzes, etc. Para muitos de nós, com efeito, o drama da cultura se desenrola nessas alternativas impossíveis.

Primeiramente, não são duas, mas três concepções filosóficas da cultura que não param de se enfrentar, cada uma pretendendo suplantar as outras duas em uma luta de morte. Podem-se, com os utilitaristas, considerar as obras como sendo "produtos", "mercadorias" que cumprem sua destinação quando, consumidas por um público, elas lhe dão satisfação. É essa visão consumista que os intelectuais críticos denunciam, em parte com razão, como sinal de uma "americanização do mundo". Pode-se em seguida, com os românticos, ver na obra de sucesso a expressão do gênio próprio de cada povo. Cada nação possui seu "espírito", sua "vida", e a língua, as instituições jurídicas e políticas, mas também a cultura em geral são suas manifestações especialmente perfeitas por não deixarem dúvidas quanto a seu rosto imanente. Pode-se por fim, contrariamente ao romantismo, atribuir à obra a tarefa heróica de subverter as formas estéticas do passado, de sair fora, assim como queriam os revolucionários franceses, dos códigos determinantes que constituem as tradições nacionais. Consumo, arraigamento, desprendimento: eis aí as três palavras mestras, as três bandeiras sob as quais se enfrentam ainda hoje os novos cruzados pós-religião. Três perversões possíveis, também: a demagogia do "tudo cultural", que ameaça sempre o utilitarismo, uma vez que o único critério se torna o sucesso, o efeito produzido sobre o público, excluindo qualquer outra unidade de valor. A quada no nacionalismo e no folclore, que espreitam um romantismo estreito. Ele oscila, então, entre a arrogância fascistizante e a falsa humildade do artesanato local. Quanto à ideologia da inovação, ela possui também seu reverso: no vanguardismo, que tanto caricaturou o gesto da liberdade, rebaixando-o à categoria de abstração nua. O conteúdo da arte reduziu-se então a ser tão somente encenação de símbolos da ruptura e da subversão pela subversão.

Os grandes debates sobre a a cultura a que assistimos desde a morte das vanguardas na metade dos anos 1970 nascem com frequência do fato de essas três visões da vida do espírito parecerem inconciliáveis: o vanguardismo, que dominou a "alta cultura" desse século, se opõe de maneira tão decidida ao amor romântico da tradição quanto ao reino cínico do mercado. Quanto ao romantismo, seu ódio ao desarraigamento inerente à cultura moderna só se iguala ao da plutocracia insolentemente exibida pelo mundo liberal. Sem se preocupar com um conflito que opõe a seus olhos o elitismo à desuetude, os defensores da indústria cultural prosseguem tranquilamente a produção de variedades e divertimentos mercantis. Seria preciso, pois, escolher o próprio campo, e como bons intelectuais que somos, com o vigor do desespero separar finalmente o joio do trigo. Uns nos convidam a optar pela inovação, pelo apoio fervoroso à "cultura difícil", mas "corajosa"; outros nos recomendam os valores seguros do patrimônio e dos autores clássicos.

Entre os três momentos da cultura, o desprendimento, o arraigamento e o consumo, é preciso de fato escolher? Não acredito. Pois a mais simples descrição fenomenológica das obras, por nós ditas "grandes", indica claramente serem elas as articuladoras das três instâncias: ao se emanciparem de um contexto que conservam até na inovação, elas conciliam de maneira cada vez mais original o desprendimento e o arraigamento que o vanguardismo e o romantismo isolam e tematizam de modo unilateral. É nessa articulação e somente por causa dela que elas provocam, para nossa maior alegria, a paixão de um espectador - esse prazer estético sem o qual mesmo a cultura mais elevada não valeria sequer uma hora de esforço. Para essa afirmação eu não vejo contraexemplo. Vale para a música como para a pintura, para a grande mesquita de Kairuan como para a Notre-Dame de Paris. Tanto uma quanto a outra pertencem a um contexto histórico e geográfico particular, tanto uma como a outra o transcendem para alcançar um público que ultrapassa de muito longe o dos fiéis aos quais o monumento parecia inicialmente destinado. E é nesse alargamento de horizontes, impossível fora da articulação dos aspectos que se queria separar por motivos ideológicos, que reside a verdadeira grandeza. O cosmopolitismo não se opõe mais aqui ao nacionalismo - mesmo que seja preciso afirmar a supremacia do momento de desprendimento dos códigos herdados sobre o momento da tradição: sem ele não haveria criação nem inovação, e é o rastro do propriamente humano que se evaporaria. É aí, me parece, que reside o verdadeiro perigo ao qual nos exporia uma vitória do ecologismo radical na opinião pública: ao considerar a cultura, à maneira da sociobiologia, um simples prolongamento da natureza, o mundo inteiro do espírito estaria sendo posto em perigo. Entre a barbárie e o humanismo, é à ecologia democrática que compete agora decidir.

domingo, 17 de setembro de 2017

Drone Warfare

Guerra sem guerreiros: teremos chegado ao ápice da civilização?


Iconoclastia como prisão

A rejeição sistemática do passado não é verdadeira liberdade, tornando-se meramente reativa. É, na verdade, uma forma ainda mais perversa de submissão. A iconoclastia como finalidade é tanto autodestrutiva quanto opressiva, atirando sementes esterilizadas ao vazio.
É fácil pensar em termos de uma ruptura com o passado, mas seria possível conceber uma ruptura com o futuro?

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Os impostos no Brasil são muito altos?

Trecho do livro Caminhos da Esquerda - Elementos para uma reconstrução, do filósofo Ruy Fausto; grifos meus

Antes de mais nada, eu insistiria, em primeiro lugar sobre o que existe de mistificador no argumento utilizado à saciedade para justificar políticas neoliberais, o de que o nível dos impostos no Brasil é muito alto. Isso é pontualmente verdade, a porcentagem dos impostos sobre o PIB é uma das mais altas do mundo. Porém, se isso é verdade - como diria um trágico grego -, essa verdade é má. É má porque não se precisa que tipo de imposto é responsável pelo nível dessa carga. Na realidade, se o índice geral foi de 33,4% em 2014, o que é muito, ver-se-á que, ao contrário do que acontece na maioria dos outros países (pelo menos tomando como base os países da OCDE), o peso maior recai não sobre impostos diretos e progressivos, mas sobre impostos indiretos e não progressivos. Assim, segundo os dados de Sérgio Wulff Gobetti e Rodrigo Octávio Orair, na publicação do IPEA "Progressividade tributária: A agenda negligenciada", 8,1% de impostos incidem "sobre a renda e a propriedade, 9,6% sobre folha de pagamento (incluindo contribuições sociais) e 15,7% [...] sobre bens e serviços. A média dos países da OCDE equivale a mais ou menos 34%do PIB", mas "tributa em 13,1% a renda e a propriedade, 9,3%" correspondem à "folha salarial e apenas 10,5% nos bens e serviços".

O sistema tributário brasileiro é brutalmente injusto, se o compararmos com as normas vigentes na maioria dos países, desenvolvidos ou em desenvolvimento. Eis os pontos em que a nossa legislação fiscal é particularmente injusta, e em que urge introduzir uma correção (indico ordens de grandeza): 1) A progressão do imposto de renda é muito desfavorável às camadas médias, beneficiando os mais ricos. A alíquota mais alta é de 27,5%. Na França, por exemplo, utilizando uma tabela simplificada, haveria mais dois níveis além do de 30%, que se aproxima da alíquota máxima no Brasil: 41% e 45%. Mas em outros países, e em outras situações, o imposto de renda pode ser ainda mais alto. 2) O imposto de transmissão intervivos, no Brasil, também é muito baixo. Da ordem de 3%. Na França, ele pode chegar a 45% ou até 55%. 3) O imposto sobre herança também é comparativamente baixíssimo: 3,9% é a alíquota média. A alíquota francesa vai de 5% até 40%. 4) A Constituição de 1998 previa um imposto sobre grandes fortunas, como existe na França. Quando era senador, FHC apresentou uma proposta nesse sentido, em 1989, mas ela ficou perdida nas gavetas do legislativo, e quando presidente ele não parece ter se mobilizado para que a proposta fosse definitivamente aprovada. Deputados do PSOL apresentaram outra proposta em 2008, que prevê alíquotas de 1% a 5%. Ela foi aprovada pela Câmara e pelo Senado, mas, pelo que sei, não foi até aqui implementada. 5) Not least, o imposto sobre lucros advindos da propriedade de ações é taxado, no Brasil, em... 0%. De fato, os lucros provenientes de ações de pessoas físicas são isentos de taxação. A acrescentar a sonegação e a evasão do imposto de renda.

 

Sofismas e paixões costumam caminhar unidos.

Brasileiros vão à Europa ver museus; europeus vêm ao Brasil ver bundas...

Provocação do historiador Fred Oliveira:

A constatação pode levar a pensar que nós é que somos os civilizados, os cultos ou ao menos os interessados em conhecer, afinal vamos à Europa ter contato com cultura, conhecimento, arte. 

Mas pensando sobre o que esperamos lá encontrar e desfrutar e (nem falo no montante de divisas) na reprodução sazonal do mesmo impulso não é bem assim. 

Eles sabem o valor de seus museus, sua arte, sua ciência, sua história e vem aqui se divertir. E nós... 

Bem, nós lemos com algumas décadas de atraso tudo que eles já testaram, refutaram e jogaram na sarjeta, mastigamos o mastigado, repetimos um eco que já emudeceu e nos sentimos inteligentes, originais e, alguns, ainda se acham "vanguarda". 

Eles também tem problemas. Mas isso é problema deles. 

E por isso também é que eles vem ao Brasil ver bundas e nós, que nunca resolvemos os nossos problemas, vamos à Europa ver museus, parques, cafés, monumentos, etc.

"Vênus do Espelho", de Vélasquez (detalhe)

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Absolutas patéticas

Para quem nada tem, qualquer coisa parece um mundo.

Para quem tudo tem, nada vale coisa alguma.

Para quem nada quer, tudo é demais.

Para quem tudo almeja, nada é suficiente.

Para quem tudo parece suficiente, nada falta.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Episode V - The Teacher strikes back

Há pouco tempo, numa galáxia não muito distante, ouvi um economista (especialista em educação, portanto) afirmando numa entrevista de rádio que o problema da educação no Brasil hoje é que temos "uma escola do século XIX, professores do século XX e uma garotada do século XXI". Mais uma vez, nossos fracassos educacionais recaem sobre as costas do - adivinham?- professor. Bravo!

Há cerca de um ano li outra entrevista com outro economista que ocupa cargo administrativo numa fundação "sem fins lucrativos" voltada à educação (a qual fatura uma pequena fortuna oferecendo serviços a secretarias estaduais e municipais de educação), que afirmava que o papel da família consiste apenas em manter as crianças bem alimentadas e indo dormir na hora certa, ficando o resto (ou tudo, talvez) sob responsabilidade -tchans!- da escola (e, imagino, dos professores). Bravissimo!

Assim sendo, eu - professor do século XX nesse nosso país do século XVIII - me atrevo a passar uma atividade educativa do século XIX para esses especialistas em educação do século XXI. Duzentas cópias, com letra bonita:

1 -Economista não é especialista em Educação!
2 -Economista não é especialista em Educação!
3 -Economista não é especialista em Educação!
4 -Economista não é especialista em Educação!
5 -Economista não é especialista em Educação!
6 -Economista não é especialista em Educação!
7 -Economista não é especialista em Educação!
8 -Economista não é especialista em Educação!
9 -Economista não é especialista em Educação!
10 -Economista não é especialista em Educação!
11 -Economista não é especialista em Educação!
12 -Economista não é especialista em Educação!
13 -Economista não é especialista em Educação!
14 -Economista não é especialista em Educação!
15 -Economista não é especialista em Educação!
16 -Economista não é especialista em Educação!
17 -Economista não é especialista em Educação!
18 -Economista não é especialista em Educação!
19 -Economista não é especialista em Educação!
20 -Economista não é especialista em Educação!
21 -Economista não é especialista em Educação!
22 -Economista não é especialista em Educação!
23 -Economista não é especialista em Educação!
24 -...


Precisamos continuar...?!