quarta-feira, 5 de abril de 2017

Quantas Marias Eduardas serão necessárias...?!

 Texto do amigo Vinicius Borges

Não queria, por tudo, postar sobre o assunto, mas, como cidadão e professor da rede municipal do Rio de Janeiro, é de dilacerar a alma ver pessoas, algumas do meu mais doce e singelo afeto (ex-alunos e professores do município, inclusos), tentando justificar, ainda por cima com fotos/notícias falsas, uma ação policial que terminou com uma adolescente assassinada no interior de uma escola.

Qual é o ponto? Onde se quer chegar com isso?

Não é possível que, diante do ocorrido, não se perceba que saber de onde partiu a bala é absolutamente irrelevante... Uma menina foi assassinada dentro de uma escola municipal por conta de uma operação da PM!!! Isso basta... Nenhuma outra informação tem mais importância... 

Ela está morta!! Mortal!! 

E essa menina poderia ter sido qualquer um de nós... Qualquer um de nós!! 

Aceitar que a morte dela foi "um lamentável acidente" é aceitar que a nossa vida (ou de nossos pais, filhos, irmãos e amigos) vale menos que essa maldita e falida "Guerra ao Tráfico". 

Será que não enxergamos que é pra esse ponto que estamos caminhando? 

Estamos tão tomados (sufocados) pelo medo, pelo ódio e pela desesperança que estamos perdendo completamente algumas das dimensões mais básicas da vida em sociedade... Há mais de três décadas tentamos apagar fogo com fogo, respondendo inutilmente a violência do tráfico com mais violência... 

Qual é o nosso limite? Até quando insistiremos no erro? Quantos mais de nós, de nossas crianças e adolescentes, deverão ser oferecidos em sacrifício por essa causa perdida?

Nenhum comentário: