segunda-feira, 2 de maio de 2011

Lamento contra a barbárie

Hoje fui acordado pelo rádio, com a triste notícia do assassinato de um homem.

Um dos homens mais vis de que se teve notícia na década passada, Osama Bin Laden. Resta vivo outro homem, talvez ainda mais vil, George W. Bush. Dois líderes cruéis de legiões de loucos, responsáveis juntos pelas mortes e sofrimento de milhares de pessoas.

Milhares de pessoas comemoram em vários lugares dos EUA. Obama disse, em seu pronunciamento oficial, que justiça foi feita. Segundo Bush, seu colega de terrorismo, trata-se de vitória para os Estados Unidos. As bolsas asiáticas estão em alta, após a notícia.

Fico simplesmente chocado. Bin Laden não foi julgado ou condenado. Foi meramente executado, com um tiro na cabeça. Justiça, Presidente Obama? Isso é tudo que o Ocidente "cristão", "civilizado", "democrático" tem a dar em reposta a seus inimigos?

Estou apenas chocado diante da barbárie, transformada em espetáculo midiático. Lamento a barbárie, choro a barbárie. Barbárie ocidental, barbárie oriental.

Desculpem o desabafo.

Um comentário:

Ana Paula disse...

"(...) Crueldade e compaixão vêm com os cromossomos; Todos os homens são bons e todos assassinos.

Quem devemos perseguir? Quem devemos lamentar? Só no conhecimento de sua própria Essência deixam de ser os homens um bando de macacos. (...)"

Huxley, Aldous. O Macaco e a Essência