domingo, 18 de março de 2018

Por que mataram Marielle Franco?

Pretendia não falar nada, mas não consegui.

Posso estar muito enganado, mas acho que Marielle não morreu porque era negra, mulher ou favelada - morreu, antes de tudo, enquanto vereadora. Não creio que haja qualquer motivação de ordem identitária relacionada ao crime em questão. Acredito que ela morreu exatamente pelo mesmo motivo que o Freixo precisa andar com seguranças: ameaçar os interesses de setores do crime organizado. Não me parece conveniente misturar alhos com bugalhos numa situação delicada como essa.

Lamentar a morte dela enquanto representante dessas categorias não é um problema, mas nos últimos dias li VÁRIAS afirmações de que ela morreu PORQUE era negra, mulher e favelada - o que é muito diferente: seria a mesma coisa que dizer que o Freixo é ou foi ameaçado por ser homem, hetero ou branco, para ficar num exemplo próximo e concreto. Acho improvável.

Também penso que um dos grandes problemas de todo o debate político no Brasil e no mundo hoje é justamente a confusão desordenada entre opiniões e "fatos". Os termos de cada debate precisam ser definidos com clareza, assim como as circunstâncias específicas de situações igualmente específicas precisam ser devidamente examinadas em suas particularidades - não misturar alhos com bugalhos, enfim.

Cada caso é um caso; uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa, como diz a sabedoria popular. O assassinato de Marielle é um caso muito peculiar, irredutível a categorias mais gerais e amplas. Acho complicado, inconveniente e mesmo perigoso que o caso em questão, com toda sua singularidade, seja banalizado e veja seus contornos mais específicos diluídos em pautas dessa ou daquela militância identitária.

De qualquer forma, a morte de Marielle é lamentável em muitos sentidos - ainda assim, não convém traçar conexões falaciosas entre esses múltiplos sentidos.

E, é claro, eu posso estar (muito) enganado, como afirmei desde o princípio.



Nenhum comentário: