Siga a Oficina no seu e-mail!

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Minha mui sincera impressão sobre o impeachment

Sinceramente, nenhuma das argumentações, da acusação ou da defesa, me deixou plenamente convencido. Fosse eu um senador, votaria contra o impeachment: in dubio pro reo. Todos são inocentes até que se prove em contrário, além de qualquer dúvida razoável - e aqui há espaço para muita dúvida razoável. Por outro lado, é justamente essa opacidade das interpretações e sutilezas jurídicas que também me leva a desconfiar dos gritos de "golpe". É uma farsa, certamente, mas será mesmo um golpe?

Enfim, esperar verdadeira justiça do Estado - qualquer Estado - é como pedir presentes ao Papai Noel: acontece poucas vezes na vida e não funciona do jeito que nós imaginamos. Santo Agostinho e Nietzsche sabiam disso. O Leviatã é e sempre foi um monstro canceroso - e nós sabemos muito bem quais células levam a melhor nesses casos. Ruim com ele, pior sem ele. Ou não?

Nenhum comentário: